Alimentação e imunidade: conheça os mitos e verdades

Com a aproximação do inverno e a queda nas temperaturas, a preocupação com a imunidade aumenta. Nesse momento, seguir uma alimentação balanceada, rica em nutrientes e vitaminas, assim como ter uma rotina adequada, é fundamental. Mas não se engane: não existem receitas, chás ou pílulas mágicas que, sozinhos, resolvam a situação.

É por meio da alimentação que nosso corpo recebe propriedades essenciais como minerais e fibras, e manter um cardápio variado garante que não haja carência nutricional – melhorando, assim, a imunidade. “Nesse sentido, falamos de carência de vitaminas do complexo B, vitamina C, vitamina D, ferro, zinco, etc”, explica a nutricionista Vera Lucia Ribinski, que atua na área de Atenção à Saúde da Unimed Ponta Grossa. “Uma alimentação mais natural, com consumo diário de duas a três frutas diferentes por dia, consumo de vegetais em saladas cruas duas vezes ao dia, carne uma vez ao dia, ovos, grãos, castanhas, cereais integrais, peixes, com consumo regular, fornece todos os nutrientes que precisamos”.

Dietas milagrosas: é seguro emagrecer sem acompanhamento profissional?

Da mesma forma, o consumo em excesso de alimentos industrializados e fast food podem prejudicar nossa saúde e, consequentemente, a imunidade. “O consumo frequente desses alimentos, além das carências nutricionais, pode levar a desordens do organismo como obesidade, diabetes, hipertensão e hipercolesterolemia”, alerta.

Os chás melhoram a imunidade?

Populares principalmente nos dias mais gelados, os chás também são aliados daqueles que buscam uma rotina mais saudável. “Os chás contêm compostos bioativos chamados antioxidantes que podem exercer uma resposta terapêuticas e bom funcionamento do organismo”, explica Vera. Alguns dos ingredientes mais comumente utilizados nos chás são: gengibre, que é rico em vitamina C e possui propriedades antibacterianas e expectorante. Limão, rico em vitamina C, importante no combate aos radicais livres. Alho, contém o antioxidante alicina que possui ação anti-inflamatória. Cravo, por conter flavonoides possui ação anti-inflamatória. Canela, possui propriedades antibacterianas. Mel, por possuir propriedades antissépticas e antibacterianas.

Apesar de os ingredientes serem comuns no combate de gripes e resfriados, ou no alívio de diferentes sintomas estomacais, a nutricionista alerta: os chás não substituem tratamentos de saúde e precisam ser consumidos com moderação. “Principalmente devido à toxicidade que pode causar no organismo e a interação com medicamentos de uso pessoal, além de quadros de saúde que podem ser agravados”. Nesses casos, a recomendação é consultar um profissional.

A alimentação e a prevenção de resfriados

Quando nos alimentamos bem, nosso organismo tem uma resposta mais eficaz a gripes e outras doenças, “possibilitando a recuperação mais rápida e até sintomas mais leves”. Porém, de acordo com a profissional, o que previne resfriados e gripe é a não exposição ao vírus. “Como estes, na maioria das vezes, são transmitidos pelo ar, pela saliva, a melhor forma de prevenção é manter ambientes arejados e hábitos adequados de higiene como lavagem e assepsia das mãos frequentemente, e também tomar a vacina para gripe/influenzas anualmente”.

Além da alimentação, outros fatores podem interferir na imunidade, como privação do sono, sedentarismo e estresse. “Dessa forma é preciso manter uma rotina adequada com horários para as refeições, prática regular de algum exercício físico mesmo que em casa, pelo menos três vezes na semana, e manter de 6 a 8 horas diárias de sono”, pontua Vera. A nutricionista lembra, ainda, a importância de relaxar em meio à situação atual, mesmo que seja difícil. “Precisamos reforçar que isso é muito necessário, então busque fazer atividades que lhe tragam satisfação”, finalizou.

Mitos e verdades sobre a imunidade

Confira os principais mitos e verdades relacionados à alimentação e à imunidade, de acordo com a nutricionista:

Tomar suplemento de vitamina C diariamente previne as gripes

Mito. A vitamina C é hidrossolúvel de forma que o excesso será excretado pela urina. O consumo diário de duas porções de frutas cítricas já é o suficiente (laranja, morango, mexerica, acerola).

É preciso usar suplementos nutricionais para melhorar a imunidade

Mito. Suplementos são indicados somente em situações específicas. Para o dia a dia uma alimentação saudável e diversificada é o suficiente para manter a saúde.

Comer peixe semanalmente melhora a imunidade

Verdade. Peixes são fonte de ômega 3 e ômega, que auxiliam o sistema imunológico.

O uso de leites fermentados e iogurtes naturais melhoram a imunidade

Verdade. Esses alimentos contêm probióticos, bactérias que regulam o trânsito intestinal e melhoram o funcionamento do organismo como um todo.

O zinco e a vitamina C são os nutrientes mais importantes para aumentar a imunidade

Mito. Zinco e vitamina C são importantes para a imunidade tanto quanto os outros nutrientes. É preciso manter uma dieta equilibrada que forneça todos os nutrientes.

Comer mais alho, cebola, mel ou gengibre, ajuda a prevenir as gripes

Mito. Esses alimentos são saudáveis e ótimos para o consumo, no entanto não se deve atribuir a prevenção de doenças a um alimento em particular.

Ingerir regularmente vegetais de folha verde escura fortalecem as defesas do organismo

Verdade. Essas verduras são fontes de ácido fólico, o qual é importante para formação dos glóbulos brancos, que ajudem a combater os invasores do organismo. Exemplos: espinafre, brócolis, couve, rúcula.

NOTA: Quanto mais variada for a alimentação, mais completa ela será quanto à ingestão de nutrientes. Incluir nas refeições frutas e verduras variadas diariamente, cereais integrais, carnes e peixes, leite e derivados, castanhas, temperos naturais, favorecerá a ingestão adequada de vitaminas e minerais que favorecem o sistema imunológico, não é possível atribuir a melhora da imunidade há nenhum alimento específico.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *