Máscaras no combate à Covid-19: saiba como utilizar corretamente

Alvo de grande polêmica, a utilização ou não das máscaras no combate à Covid-19 tem gerado diversas dúvidas. Afinal, todos devem usar o equipamento, ou somente públicos específicos? Apesar de a recomendação inicial atingir somente profissionais da saúde e doentes, recentemente o Ministério da Saúde, com base em diferentes estudos, passou a orientar que toda a população utilize o item ao sair de casa, como forma de prevenção. O ideal, no entanto, é que as pessoas que não estão contaminadas deem preferência às máscaras caseiras, produzidas em tecido, reservando os equipamentos cirúrgicos aos profissionais da linha de frente do combate.

Leia também: Máscaras vão ser obrigatórias em ônibus e mercados de Londrina a partir de quarta-feira (15)

As máscaras são importantes instrumentos de proteção contra o vírus. No entanto, precisam ser usadas com atenção e responsabilidade. Elas ajudam na prevenção, pois o vírus pode ser transmitido via aerossol (suspensão de partículas finíssimas sólidas ou líquidas por meio de um gás ou mesmo nuvem ou ar), gotículas de saliva ou secreção expelidas quando uma pessoa fala, espirra ou tosse, por exemplo, ou mesmo contato com pessoas ou superfícies contaminadas. Por isso é tão importante a constante higienização das mãos e o evitar-se tocar a boca, nariz e olhos.

Profissionais da saúde

A recomendação ao uso de máscaras, em um primeiro momento, foi direcionada apenas a profissionais de saúde e também aqueles que estavam doentes, principalmente, resfriados e congestionados, que pudessem sugerir a contaminação por coronavírus, mesmo não testados. Uma forma de precaução.  A principal preocupação direcionava-se à falta desses equipamentos, tão necessária, para quem tem que estar na linha de frente, tratando dos doentes. Afinal, para que possam cuidar de outros, esses profissionais precisam estar bem.

Saiba mais: Números atualizados do novo coronavírus no Paraná

Para o profissional de saúde, a máscara é mais um item de todo um conjunto de equipamentos de proteção individual; óculos, touca e luvas, por exemplo. Assim, ele consegue proteger toda a face e, nesse caso, a máscara é necessária e eficaz.

População em geral

Recentemente, no entanto, o Ministério da Saúde repassou à população a atenção também ao uso de máscaras.  O ministro da saúde, Luiz Henrique Mandetta, foi enfático em lembrar que as máscaras profissionais devem ser reservadas aos profissionais de saúde. O material ainda é escasso e esses profissionais para continuarem cuidando dos doentes, precisam desse equipamento.

Saúde: Psicóloga traz dicas para cuidar da saúde mental durante o isolamento

Fora as máscaras profissionais, vários outros materiais, com maior ou menor tempo de duração, podem ser usados pela população, desde que de maneira adequada.  O Ministério da Saúde orientou que a população pode produzir as suas próprias máscaras caseiras, que podem ser confeccionadas em tecido de algodão, tricoline, TNT, ou outros tecidos, que asseguram uma proteção quando bem desenhadas e higienizadas corretamente. O essencial é que a máscara seja feita nas medidas corretas cobrindo totalmente a boca e nariz e que esteja bem ajustada ao rosto. Essa medida visa reduzir o uso de máscaras cirúrgicas e N95 ou PFF2 por pessoas que não sejam profissionais da saúde.

Confira: Os cuidados com a máscara caseira

Qual a eficácia de proteção das máscaras no combate à Covid-19?

A máscara é eficaz para conter as secreções de pessoas doentes e para proteger o profissional de saúde das gotículas no contexto do seu trabalho.

A máscara mais comum é a chamada máscara cirúrgica. E existe outra mais avançada, conhecida como N95 ou PFF2, utilizada em ambientes hospitalares durante procedimentos médicos que geram aerossóis.

Saúde Debate: Fumantes têm mais tendência a desenvolver sintomas graves de Covid-19

É necessário, porém, ressaltar que as máscaras não protegem as pessoas da forma mais importante de contágio, que é o contato (mãos na boca, nariz ou olhos). Por isso, a higienização é tão importante.

Existe um tempo de duração das máscaras?

Uma vez utilizada, as máscaras têm um limite de tempo e é importante evitar que ele seja ultrapassado.

Confira:

Máscaras cirúrgicas: estas têm uma vida útil de algumas horas. Uma vez que a máscara fique úmida e/ou suja, deve ser imediatamente descartada.

Máscaras N95, PFF2 ou equivalentes: estando a máscara íntegra, limpa e seca, pode ser usada pelo mesmo profissional várias vezes por até 15 dias ou tempo definido pelo Serviço de Controle de Infecção Hospitalar da organização.

Máscaras de tecido: tais máscaras devem ter pelo menos duas camadas de tecido, e podem ser utilizadas por até duas horas. Após esse período, deve ser trocada devido à umidade natural produzida pela própria respiração.

As máscaras podem ser reutilizadas?

Cirúrgica: A indicação, de acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS) e Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), é de que uma vez utilizada e retirada a máscara cirúrgica, ela seja descartada.

A máscara N95 ou PFF2: Deverá ser utilizada conforme orientação do Serviço de Controle de Infecção Hospitalar da instituição e não está indicada para uso no ambiente doméstico.

Máscaras de tecido: Desde que seja higienizada corretamente após duas horas contínuas de uso, a máscara pode ser reutilizada enquanto o tecido estiver em boas condições. A máscara não deve ser utilizada se estiver úmida ou suja. Caso haja desgaste, deve ser descartada.

Higienização das máscaras de tecido

A máscara caseira é uma solução paliativa que, para ter sua eficácia aumentada, precisa de alguns cuidados importantes: 

  • A máscara de tecido tem efetividade por até 2 horas de uso, devendo ser trocada depois desse período devido à umidade natural produzida pela própria respiração 
  • Use a máscara sempre que precisar sair de casa. Saia sempre com pelo menos uma reserva e leve uma sacola para guardar a máscara suja, quando precisar trocar 
  • A máscara é individual, não podendo ser compartilhada. O ideal é que cada membro da família tenha pelo menos duas para quando precisar sair 
  • Certifique-se de que não está entrando ar por frestas laterais, superiores ou inferiores; óculos ou até mesmo esparadrapo podem ajudar na fixação no nariz 
  • Chegando em casa, retire sapatos, lave bem as mãos e só então retire a máscara  
  • Remova a máscara pegando pelo elástico ou laço da parte traseira, evitando tocar na parte da frente – que pode estar contaminada  
  • Faça a imersão da máscara em recipiente com água potável e água sanitária (2,0 a 2,5%) por 30 minutos. A proporção de diluição a ser utilizada é de 1 parte de água sanitária para 50 partes de água (por exemplo: 10 ml de água sanitária para 500 ml de água potável)  
  • Lave a máscara usando água e sabão e faça o enxágue em água corrente 
  • Deixe secar bem. Em seguida, passe ferro quente e guarde em saco plástico limpo para a próxima utilização  
  • A máscara não pode ser utilizada úmida ou suja 
  • Se notar desgaste no tecido, descarte 
  • Antes de todos os procedimentos com a máscara – estender, recolher, passar, guardar, colocar – lave bem as mãos  

As melhores formas de prevenção

As recomendações de cuidado por parte dos profissionais de saúde são simples e consideradas, bastante eficientes:

  • Lavar as mãos com água e sabão com frequência, esfregando entre 15 e 20 segundos;
  • Não tocar boca, nariz e olhos sem ter higienizado as mãos com água e sabão ou álcool gel;
  • Manter o ambiente limpo, sempre higienizado com produtos desinfetantes (álcool 70%, água e sabão ou hipoclorito de sódio);
  • Limpar frequentemente as superfícies ao seu redor, como móveis e, principalmente, celulares.

Nesse momento, no entanto, a melhor forma de prevenção é o isolamento e o distanciamento.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *