Mudança que gera sustentabilidade

Mudança que gera sustentabilidade

Avaliação dos contratos e experiência de reformulação cultural estão favorecendo o crescimento sustentável da Federação e levando esse know how às demais Unimeds do estado

Entender as mudanças do mercado, reestruturar-se para enfrentar esse novo cenário e contribuir para o aculturamento de todo o Sistema Paranaense tem sido uma preocupação constante da área de mercado da Unimed Paraná, segundo Alexandre Bley, diretor de Mercado e de Comunicação (veja quadro, abaixo). O suporte às Singulares é uma das marcas mais emblemáticas nesses 40 anos da Federação Unimed Paraná. E o trabalho realizado ao longo desse período compreendeu o apoio em diversos setores, desde aspectos administrativos e estruturais até financeiros. 

Afinal, o Sistema surgiu como resposta da classe médica àquilo que se pretendia fazer com a medicina, no final da década de 1960, início de 1970. Se na época, foi necessário ajudar a construir opções de saúde para a população que não só a disponibilizada pelo Governo, hoje o desafio é encontrar caminhos que possam ofere-cer, a cooperados e beneficiários, um modelo de saúde satisfatório, nos quesitos acesso, qualidade, financia-mento, entre outros.
Diante dos desafios das mudanças econômicas e do comportamento da sociedade, em 2008, a Unimed Para-ná iniciou uma ação de adequação de contratos a partir do Programa de Desenvolvimento de Mercado (PDM), que aproximou a Federação das unidades regionais, trazendo soluções para a sustentabilidade do Sistema.

A iniciativa caminha simultaneamente com as ne-cessidades apresentadas no próprio setor da saúde, que, segundo o gerente de Operações de Mercado da Unimed PR, Evandro Lucas de Barros, se tornou com-plexo diante da concorrência cada vez mais acirrada. “O desafio atual da Unimed é lidar com a agressividade e competitividade do mercado em contrapartida aos players que vem atuando com produtos de menor cus-to e mais customizados”, analisa.
Para equilibrar essa conta e auxiliar as Singulares, a reestruturação comercial da Federação apresentou algumas alternativas. ”Por conta desse cenário, dessas mobilizações no próprio mercado, viemos estudando ao longo dos anos modelos assistenciais como a APS (Atenção Primária à Saúde), com base na integralidade do cuidado, Porta de Entrada e atendimento de acesso popular”, destaca Barros.
Ainda na avaliação do gerente, esse foi o caminho encontrado pela Federação para se reinventar. A busca de novas soluções que possam ser disponibilizadas aos beneficiários a fim de garantir a competitividade no mercado é apenas um dos itens. Foi seguindo essa lógica que esse conhecimento organizacional passou a ser levado para as Singulares por meio das consultorias de gestão preventiva e por uma nova área dentro do PDM.

A partir disso, o Programa passou a fornecer esse suporte em ações de mercado e está transformando a realidade no estado, assim como em outras regiões do país. “Na visão de futuro como princípio estratégico e também como resultado do aprendizado, a Unimed Paraná planeja as suas ações sempre avaliando as trans-formações do mercado, o impacto na relação com seus clientes e a essência do contexto do cooperativismo nas demais formas de organização assistencial do mercado de saúde suplementar”, explica o especialista de Mercado da Unimed Paraná, Marcos Mazurek.

NA PRÁTICA

Além de programas como a Atenção Personalizada à Saúde (APS), foram estruturados fluxos e processos de gestão para agrupamento de contratos e monitora-mento de indicadores. E nas ações de Negociação de Reajuste de Contratos foram definidas estratégias de gestão e técnicas de negociação para aplicação de índices de reajuste contratual com o objetivo de estabelecer uma relação de custo-benefício entre a operadora e  o contratante pessoa jurídica.

Já as ações de Relacionamento de Mercado foram estabelecidas ações de relacionamento e de marketing direto com foco em desenvolvimento de relacionamento sustentável com a carteira de beneficiários.
Para que todo esse cenário pudesse se desenvolver, como explica Mazurek, ao longo desse período houve um investimento no desenvolvimento de um setor especializado de inteligência de Mercado. “Dessa for-ma, foi possível definir quais seriam as estratégias de desenvolvimento mercadológico mais adequadas. E, atualmente, o setor é responsável pela análise de contratos, desenvolvimento de indicadores e criação de estratégias de gestão de risco e de relacionamento com os contratantes”, conta.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *