Cliente no centro da estratégia

Cliente no centro da estratu00e9gia

Marcia Agosti, da General Eletric, Paulo Roberto Zetola, da Renault, e Rodrigo Camargo, da ACP (Asso-Comercial do Paranu00e1), coordenados pelo diretor de Mercado e Comunicau00e7u00e3o da Unimed Paranu00e1, Alexandre Bley, foram responsu00e1veis pela u00faltima mesa-re-donda do evento, no su00e1bado u00e0 tarde, dia 15, u201cO Cliente no Centro da Estratu00e9giau201d.
Ao apresentar os debatedores, Bley destacou que nu00e3o adianta se discutir dentro das empresas soluu00e7u00f5es, se nu00e3o ouvir o cliente. Por isso, a importu00e2ncia de uma mesa-redonda como essa. u201cEm vez de uma palestra magna, trouxemos tru00eas convidados para falar de suas experiu00eancias, como clientes, e saber de que forma, nu00f3s podemos entregar a melhor assistu00eancia, o melhor cuidado e a melhor sau00fadeu201d.
Bley destacou que a concorru00eancia mudou. Hoje, nu00e3o existem apenas empresas de sau00fade, mas outras organizau00e7u00f5es com investimentos na u00e1rea. u201cTemos diferenciais por sermos cooperativas e estu00e1 no nosso DNA a excelu00eancia, a u00e9tica e o comprometimento como valores importantes na busca de soluu00e7u00f5es em sau00fade. Poru00e9m, os desafios nu00e3o su00e3o poucos. Isso faz com que seja ainda mais importante ouvir nossos clientesu201d, destacou o diretor.
Camargo, foi o primeiro a falar, ele u00e9 mu00e9dico e, atualmente, su00f3cio e diretor da Previneo health tech dedicada u00e0 reduu00e7u00e3o da mortalidade e custo do cu00e2ncer no Brasil, atendendo mais de 70 mil vidas desde 2016. Ele faz parte do Conselho de Sau00fade da ACP, na Gestu00e3o Glaucio Geara. A Associau00e7u00e3o Comercial do Paranu00e1 tem 125 anos, 14 mil empresas associadas 15% do PIB do Paranu00e1. Segundo ele, o ponto que precisamos discutir u00e9 se vai ser sustentu00e1vel ou nu00e3o a maneira como atendemos nossos funcionu00e1rios, nossos clientes, nossa estrutura. O que para ele nu00e3o tem outra sau00edda, senu00e3o o cooperativismo.u00a0

u201cMenos de u00bc da populau00e7u00e3o tem plano de sau00fade e 17 milhu00f5es de pessoas estu00e3o em cooperativas. u00c9 muita gente. Hu00e1 muito o que ser feito. Nu00f3s nu00e3o podemos lutar contra o impacto da tecnologia na medicina, mas u00e9 nosso dever antecipar o diagnu00f3stico, para que a sinistralidade nu00e3o aconteu00e7a. Hoje se vende acesso, mas se entrega a restriu00e7u00e3o da rede. Eu proponho que haja um direcionamento para a rede, como a Unimed Curitiba fez com a APS, a cogestu00e3o entre a empresa, o paciente e a redeu201d, defende.
Para Camargo, u00e9 fundamental a gestu00e3o compartilhada. u201cEnquanto nu00f3s nu00e3o mudarmos a visu00e3o do que o cliente tem direito e souber da responsabilidade da manutenu00e7u00e3o desses direitos, nu00e3o hu00e1 o que ser feitou201d, alerta. De acordo com ele, o que dificulta u00e9 a falta de orientau00e7u00e3o bu00e1sica. Se temos ou00a0protocolo 1, 2, 3 e 4, por que pular direto para o 4?u00a0O cenu00e1rio exige cobertura satisfatu00f3ria com custo previsu00edvel, capilaridade e eficiu00eancia, gestu00e3o compartilhada, integrau00e7u00e3o ocupacional e assistencial. Alu00e9m disso, as operadoras, usualmente, nu00e3o se comunicam adequadamente com o cliente. u201cu00c9 importante saber se o valor estu00e1 correto, e a partir disso negociar e prevenir. Pagar no escuro u00e9 o que traz troca de planos, perdendo pacientes, mu00e9dicos e as empresasu201d, avalia.
Os problemas su00e3o vu00e1rios, entre eles: falta de orientau00e7u00e3o bu00e1sica para consumo do produto de forma equilibrada, a visu00e3o do tipo, u201ceu tenho o produto vou usaru201d, o modelo de remunerau00e7u00e3o nu00e3o u201cajudau201d aculturar o consumo e o pru00f3prio perfil da populau00e7u00e3o brasileira. Para ele, as soluu00e7u00f5es incluem ferramentas de Gestu00e3o, modelos como APS que vu00eam para dar novos rumos u00e0 assistu00eancia mu00e9dica em sau00fade suplementar, o apoio digital entre outros, como o pru00f3prio comportamento do mu00e9dico.
Marcia de Lima Moreira Agosti, mu00e9dica sanitarista pela UFRJ, u00e9 gerente de Programas de Sau00fade para Amu00e9rica Latina na General Electric com responsabilidade pelos programas de sau00fade ocupacional, assistencial e de promou00e7u00e3o do Bem-estar. Ela lembrou estar re-presentando um grupo de 68 em-presas, com cerca de 3,5 milhu00f5es de vidas. u201cPrecisamos olhar para a capacitau00e7u00e3o dos colegas, olhar para a capacitau00e7u00e3o dos lu00edderes das em-presas para andarmos juntos nesse processou201d, frisou.
A mu00e9dica lembrou do enorme desafio que u00e9 garantir acesso a um serviu00e7o de qualidade com custos acessu00edveis. u201cAntes, ninguu00e9m dava ouvidos ao gestor de sau00fade, aos gestores mu00e9dicos. Organizamo-nos para poder ajudar a compreender o cenu00e1rio complexo que envolve ou00a0modelo de sau00fade. Como podemos contribuir para que juntos possamos trabalhar de maneira mais efetiva?u00a0

Como fazer para comprometer as pessoas com a questu00e3o da sustentabilidade? Enfrentamos, na verdade, uma assistu00eancia mu00e9dica de alto cus-to sem conseguir desenvolver uma gestu00e3o efetiva. A GE tambu00e9m vem tomando consciu00eancia deste novo momento, buscando um ecossistema cheio de oportunidades para que a gente posa contribuir para que os funcionu00e1rios possam manter a sua capacidade laborativau201d.
Os programas de sau00fade, segundo Mu00e1rcia, tu00eam esse propu00f3sito: alcanu00e7ar os melhores resultados possu00edveis no domu00ednio da sau00fade e produtividade da foru00e7a de trabalho (sau00fade e produtividade). Uma pesquisa da Mackenzi perguntou aos usuu00e1rios onde eles encontram mais barreiras para assumir um estilo de vida mais saudu00e1vel. Mais de 60% disseram que gostariam de engajar-se em uma atividade fu00edsica, mas o alto estresse os impede. Para Mu00e1rcia, u00e9 preciso conhecer os riscos psicos-sociais para que possamos ser mais efetivos. u201cSe nu00e3o conseguirmos iniciar uma atividade colaborativa, seru00e1 difu00edcil atingir-se a sustentabilidadeu201d.
Mu00e1rcia levantou vu00e1rias reflexu00f5es. Entre elas, o fato de que quando se estuda o gerenciamento de doenu00e7as u00e9 porque ju00e1 se parou de falar em bem-estar. Outro ponto importante: nu00e3o adianta buscar ser melhor que nossos concorrentes, u00e9 preciso buscar saber o que podemos fazer de maneira diferente.
Zu00e9tola reforu00e7ou as indagau00e7u00f5es de Mu00e1rcia. Mu00e9dico do Trabalho e do Esporte, u00e9 gerente corporativo da Amu00e9rica Latina de Sau00fade e Seguranu00e7a do Trabalho da Renault do Brasil, alu00e9m de diretor Executivo da PrevLine Assessoria e Consultoriau00a0em Gestu00e3o de Sau00fade. Ele iniciou sua apresentau00e7u00e3o destacando que os custos de sau00fade su00f3 aumentam. u201cNu00f3s nu00e3o temos controle, nem mesmo sabemos se estamos no caminho certo. Seru00e1 que estamos tratando adequadamente nossos pacientesu201d?
O mu00e9dico lembrou o quanto nu00f3s, brasileiros, somos privilegiados por termos planos de sau00fade pagos pelas empresas. u201cA pru00e1tica de as empresas oferecerem planos de sau00fade aos trabalhadores e a seus familiares u00e9 maravilhoso, temos de lutar para que isso continue. Lu00e1 fora, em outros pau00edses, nu00e3o aconteceu201d. Entretanto, temos que buscar a sustentabilidade. Essa palavrinha mu00e1gica, tu00e3o comum nos dias atuais e tu00e3o difu00edcil de ser alcanu00e7ada na u00e1rea de sau00fade.
Zu00e9tola acredita que estamos negligenciando a prevenu00e7u00e3o em detrimento do tratamento de doenu00e7as. As reclamau00e7u00f5es su00e3o muitas, segundo dados da ABPRH Setembro 2018, distanciamento das operadoras e corretoras frente ao emprega-dor; falta de transparu00eancia dos indicadores de utilizau00e7u00e3o; ineficiu00eancia de gestu00e3o das operadoras; ausu00eancia ou ineficiu00eancia dos programas de gestu00e3o de sau00fade; programas de sau00fade comuns, dentro do mesmo padru00e3o, sem direcionamento para os desvios da carteira e perfil epidemiolu00f3gico; ausu00eancia de indicadores de resultados dos programas das operadoras; ineficiu00eancia de rede de prestadores de consultas eletivas; e ausu00eancia de uma linha de cuidado integral.
Zu00e9tola tambu00e9m falou de fraudes e desperdu00edcios e da Polu00edtica Nacional de Seguranu00e7a e Sau00fade do Trabalhador (PNSST e apresentou o case da Renault. Seu programa internacional tem aconselhamento de mu00e9dico especializado, Orientau00e7u00e3o Mu00e9dica Geral, orientau00e7u00e3o nutricional, orientau00e7u00e3o pediu00e1trica, orientau00e7u00e3o esportiva, teste de hu00e1bitos saudu00e1-veis, indicau00e7u00f5es de profissionais na Rede Credenciada e esclarecimentos de du00favidas de sau00fade a qualquer momento. Hu00e1, ainda, o programa mu00e9dico gestor de sua sau00fade, clube de sau00fade e programa bem-estar no trabalho, contribuindo para reduu00e7u00e3o em custos, em virtude da prevenu00e7u00e3o. u00a0

PANORAMA GERAL DE SAu00daDE NO BRASIL

u2022 O aumento do custo em sau00fade
nu00e3o tem gerado mais sau00fade
u2022 O aumento do custo em sau00fade no Brasil u00e9 de 17%; valor maior que o da Amu00e9rica Latina, que u00e9 de 11,5%; e da Amu00e9rica do Norte, que u00e9 de 8,6%
u2022 Doenu00e7as cru00f4nicas nu00e3o transmissu00edveis causam 16 milhu00f5es de mortes prematuras todos os anos
u2022 De 2011 a 2025, as perdas econu00f4micas acumuladas em um cenu00e1rio comum nos pau00edses de baixa e mu00e9dia renda estu00e3o estimadas em 7 trilhu00f5es de du00f3lares

INSATISFAu00c7u00c3O DA CADEIA DE SAu00daDE

u2022 Os mu00e9dicos das operadoras pelos baixos honoru00e1rios
u2022 Os convu00eanios com a sinistralidade elevada
u2022 O empregador com os valores elevados e reajustes
u2022 O hospital pelas tabelas baixas das operadoras
u2022 Os beneficiu00e1rios com a baixa qualidade do atendimento

Fonte: custos-da-saude—fatos-e-interpretacoes-interfarma1.pdf

DESAFIOS

u2022 Despesa Acidental do Idoso
500% maior do que a do jovem.
u2022 70% da populau00e7u00e3o brasileira idosa tem pelo menos uma doenu00e7a cru00f4nica
u2022 Nos u00faltimos 18 meses, 1,9milhu00e3o
de beneficiu00e1rios saiu dos
planos mu00e9dico-hospitalares
u2022 Consultas mu00e9dicas em pronto- socorro ficam, em geral, 30% mais cara do que os agendamentos eletivos
u2022 Atualmente, su00e3o mais de 400 mil au00e7u00f5es nos tribunais envolvendo sau00fade pu00fablica e privada
u2022 Despesas com sau00fade de idosos
2014 (30%) / 2030 (48%)
u2022 Nos u00faltimos 10 anos, o nu00famero
de beneficiu00e1rios com mais de 60 anos aumentou 55% mais que
o dobro da faixa de zero a 19
u2022 Pru00f3tese de joelho paga pela Operadora Custo inicial ($) Custo final (9$ x mais)
u2022 Despesas de faixa etu00e1ria de 80 anos ou mais 2014 (10,6%) / 2030 (16,6%)
u2022 Variau00e7u00e3o do preu00e7o Stent
metu00e1lico coronu00e1rio – 1.000%
de acordo com a regiu00e3o

Os palestrantes Zu00e9tola e Marcia Agosti e o coordenador da mesa Alexandre Bley

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

//Código do Google Analytics