Máscara volta a ser recomendada em locais fechados

Crescimento dos casos de Covid-19 faz autoridades voltarem a recomendar uso de máscara em locais fechados

As autoridades sanitárias de Curitiba e do Paraná voltaram a recomendar o uso de máscaras em locais fechados como medida de prevenção à Covid-19. A recomendação se dá a partir do recrudescimento do número de novos casos de contaminação pelo coronavírus. A média móvel de novos casos diários no estado estava, em 2.686 novos registros por dia, número semelhante aos registrados no inverno do ano passado (auge da pandemia). Assim, mesmo com o número de óbitos e de internamentos bastante inferior, devido à vacinação, medidas de proteção voltaram a ser sugeridas.

Leia também: Cabelo caindo após a Covid-19? Problema é reversível!

“Nunca adotamos nenhuma medida que não fosse fundamentada nos painéis com indicadores da pandemia. Estamos, neste momento, numa fase de alerta à população: ‘vamos cuidar que este momento pode levar a complicações’. Se a pandemia assim exigir, se a gente passar a ter óbitos por Covid-19 em número maior, se os internamentos crescerem a ponto de causar pressão no atendimento, teremos, talvez, que adotar medidas de restrição. Mas não há, neste momento, previsão e intenção disto. Já conhecemos melhor o vírus, acompanhamos por dois anos, quando apresenta medidas restritivas, diminui o número de casos, quando flexibiliza, aumentam os casos. Estamos vivendo nesta gangorra e vamos administrando, contando com a colaboração do curitibano”, declarou a secretária municipal de saúde de Curitiba, Beatriz Batistella, reforçando que, no momento, a prefeitura aposta na orientação e recomendação, sem baixar nenhum novo decreto determinando obrigatoriedade.

Confira ainda: Aumento de casos de Covid e doenças respiratórias

Para o infectologista do Hospital Pequeno Prícipe Victor Horácio de Souza Costa Júnior, cooperado da Unimed Curitiba, a prefeitura age certo ao, no momento, não impor nenhuma medida restritiva, mas apostar no bom senso e na colaboração da população. “Usar máscara em local fechado, evitar aglomerações e atentar para a higiene de mãos. Esses comportamentos precisam ser reforçados nos momentos de maior circulação do vírus. Mas, neste primeiro momento, como não temos grande número de internação ou de óbitos, essas medidas devem ser individualizadas, não sendo necessária a intervenção do poder público”, avalia.

Para o médico, o crescimento no número de casos é natural, em virtude do relaxamento com essas medidas de proteção e a atenção deve ser voltada ao risco de internamento ou óbito de pessoas não vacinadas. “A vacina tem sido bastante eficiente para reduzir os casos graves da doença. Para quem está com o ciclo vacinal completo, a Covid-19 pode ser comparada à gripe. Na atual situação, com a cepa Omicron circulando, os principais sintomas são a infecção de via aérea superior, onde a faringite, a irritação na garganta é um sintoma que mais chama a atenção, comenta. “Acredito que vamos ter que conviver com a circulação do coronavírus como convivemos com o vírus da gripe, provavelmente para sempre. Por isso, a necessidade da vacina anual, ou até mesmo semestral vem sendo estudada”, acrescenta. Estudo da Universidade Stellenbosch, da África do Sul, publicado na revista científica “Science” indica que poderá ser comum que as pessoas contraiam Covid-19 mais de uma vez por ano.   

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *