A importância dos macronutrientes na alimentação

Entenda o que são os macronutrientes e porque eles têm um papel importante na sua saúde

Talvez você nunca tenha ouvido falar sobre macronutrientes, mas com certeza eles fazem parte da sua alimentação diária.

Para explicarmos o significado do termo, vamos dividi-lo em duas partes: “macro” e “nutrientes”. Nutrientes são todas as substâncias químicas que compõem os alimentos e que são absorvidas pelo organismo. Já macro remete à ideia de algo grande. Portanto, macronutrientes são os nutrientes amplamente encontrados nos alimentos e dos quais nosso corpo precisa em grande quantidade para se desenvolver e se manter saudável. São macronutrientes os carboidratos, as gorduras e as proteínas.

Carboidratos – uma importante fonte de energia

Apesar de ter fama de vilão entre os adeptos de dietas restritivas, os carboidratos são extremamente importantes, pois fornecem a energia que o nosso corpo precisa para andar, trabalhar, estudar e funcionar corretamente.

Sem carboidratos, o organismo é forçado a tirar proteínas dos tecidos para se manter ativo, o que compromete o crescimento desses tecidos e a capacidade que eles têm se recuperar. Com carboidratos em excesso, a gordura corporal pode aumentar, gerando risco de obesidade, diabetes e outras doenças.

Veja também: Conversa Ampla: alimentação e imunidade

Os carboidratos se dividem em dois tipos: simples e complexos. Os simples são moléculas menores, geralmente absorvidas pelo organismo de forma rápida. Estão presentes em alimentos como açúcar, mel, frutas e doces. Já os carboidratos complexos são moléculas maiores, que levam mais tempo para serem absorvidas e, consequentemente, dão maior sensação de saciedade. Estão presentes no arroz, milho, massas, pães, entre outros.

Gorduras – a moderação traz uma série de benefícios

Ao lado dos carboidratos, as gorduras são as principais fornecedoras de energia. Elas protegem os órgãos contra lesões, ajudam a manter a temperatura corporal, a absorver algumas vitaminas e a saciar o organismo após as refeições.

As gorduras se dividem em saturadas e insaturadas. As saturadas geralmente são sólidas em temperatura ambiente, o que faz com que se acumulem mais facilmente nos vasos e veias. São ricos nesse tipo de gordura as carnes, a manteiga e o leite, por exemplo. Já as gorduras insaturadas costumam ser líquidas em temperatura ambiente e são, em sua maioria, produtos de origem vegetal, como o azeite de oliva, o abacate e a castanha-do-pará.

Veja também: Alimentação na quarentena: estratégias que podem reduzir a ansiedade

Tanto as gorduras saturadas como as insaturadas, quando consumidas em excesso, aumentam o colesterol ruim, diminuem o bom e aumentam os riscos de doenças cardiovasculares. 

Proteínas – tecidos, células e anticorpos agradecem

As proteínas são essenciais para o crescimento, construção e reparação dos tecidos do nosso corpo. Elas participam ativamente de uma série de processos metabólicos, estão presentes na constituição das células e dos anticorpos do sistema imunológico e ainda são convertidas em glicose para fornecer energia caso necessário. 

As proteínas podem ser encontradas nas carnes, leite e derivados, ovos e leguminosas, como feijão, soja, ervilha e lentilha. O excesso de consumo desse macronutriente pode sobrecarregar o fígado e os rins, aumentar a excreção de alguns minerais e o depósito de gordura nos tecidos.

Cada grama de proteína, assim como de carboidrato, tem 4 calorias. Já um grama de gordura possui 9 calorias.

Micronutrientes

A outra categoria dos nutrientes são os micronutrientes, também importantes para o bom funcionamento do organismo, mas que não precisam ser absorvidos em grandes quantidades. Eles são encontrados em concentrações pequenas nos alimentos, dividem-se em vitaminas e minerais e têm a função de facilitar as reações químicas que ocorrem no corpo.

Referências: Ministério da Saúde

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

//Código do Google Analytics