Cooperado, você sabe como está a a sua Unimed ?

Cooperado, você sabe como está a a sua Unimed ?

ESSA PERGUNTA SEMPRE RONDA as reuniões de médicos, envolve os pacientes nos consultórios e mexe com a sociedade. Muito pela importância das cooperativas médicas, pois somos responsáveis pela assistência à saúde de mais de 17 milhões de brasileiros. Afinal, você saberia dizer como está a sua Unimed ?
O cooperativismo é calçado em 7 princípios que formam sua base filosófica e que se traduzem nos valores que professamos e devemos praticar. O Sistema Cooperativo Unimed se utiliza desses princípios para cumprir seu objetivo maior que é proporcionar trabalho e renda ao cooperado, entregando aos seus beneficiários um atendimento qualificado. Esse é o principal diferencial em relação a outras operadoras.
São eles: Adesão livre e voluntária, Gestão democrática, Participação econômica, Autonomia e independência, Edu-cação, formação e informação, Intercooperação e Interesse pela Comunidade.
Atuar numa cooperativa pressupõe participação econômica, ou seja integralizar suas quotas partes de acordo com que o estatuto define, mas também deliberar sobre os destinos da cooperativa, as propostas de ações e projetos. A condição de cooperado gera uma responsabilidade legal, de guardião do patrimônio da cooperativa, por isso é de suma importância que outro princípio seja plenamente exercido. A gestão democrática oportuniza meios para que todos os cooperados, de forma igualitária, possam, diretamente ou por meio de seus representantes, administrar um bem comum. Esse ponto é de fundamental importância, pois têm atitudes de gestão que cabem ao cooperado na sua prática diária e outras que competem aos representantes eleitos, e essa sinergia tem que ocorrer para que a cooperativa se sus-tente e cresça. A responsabilidade não pode ser exclusiva de um lado, mas sim compartilhada entre todos. Falar de cooperativa é falar de esforços individuais que geram benefícios coletivos e proporcionais ao seu trabalho.
Igualdade e responsabilidade ajudam na definição prática de democracia, que também pressupõe transparência das informações. Ela engaja e cria comprometimento, fazendo com que as pessoas desenvolvam as ações necessárias. Existem muitos veículos de comunicação das Unimeds com seus cooperados, desde os mais formais como circulares e cartas impressas, passando pelos jornais e revistas, até os mais informais como e-mail e Whatsapp. Não importa o meio, mas sim  conteúdo que deve traduzir de forma objetiva aquilo que se precisa comunicar e, principalmente, que ele atinja a quem de direito. De forma direta, existe um espaço imprescindível para uma boa gestão e o exercício da democracia, a assembleia. Costumo dizer que março é um mês no qual o cooperativismo aflora. Por força legal, as cooperativas têm que fazer suas assembleias ordinárias até o fim do primeiro trimestre, sendo março o mês mais escolhido para tal fim. É um momento ímpar, pois passado e futuro se encontram. Os cooperados apreciam as contas e os resultados do ano anterior, mas também analisam os projetos e o orçamento do ano que se inicia. O relatório de gestão e as ações desenvolvidas são apresentados, ocorrem as eleições de conselheiros fiscais anualmente e a cada tempo (definido no estatuto da cooperativa) a eleição do corpo diretivo. Enfim, temas relevantes que merecem atenção especial e posicionamento individual.
Já escutei de colegas: “Eu não participei, não sei do que falaram e por isso não tenho culpa se algo der errado”. Em que pese o pensamento linear, numa organização cooperativa, as coisas não funcionam bem assim. Não participar é, na maioria das vezes, uma escolha, logo uma decisão. Decide-se outorgar a outros o poder decisório que, por vezes, afeta não só o patrimônio da empresa, mas também o patrimônio pessoal de cada cooperado que tem sua fonte nos honorários médicos.
Reflita um instante. O que lhe motivou a entrar na sua Unimed? Colhendo opinião entre cooperados, percebi que a ampla maioria respondeu que a entrada na cooperativa poderia alavancar a sua profissão, oferecendo acesso a milhares de beneficiários que diariamente buscam atendimento. Portanto, além de conceitos científicos, filosóficos e éticos da profissão, temos questões de mercado que ditam nossas escolhas. A renda do cooperado depende do seu trabalho e este depende da capacidade da cooperativa se posicionar bem nesse mercado e conquistar um número maior de beneficiários. Esse posicionamento ocorre com o desenvolvimento de produtos aos diversos públicos e conta com a qualidade e proficiência dos cooperados no atendimento aos seus beneficiários. Existe um círculo virtuoso e você faz parte disso. Preocupar-se com a cooperativa é se preocupar com a sua carreira e sua renda. Em sã consciência você investiria seu dinheiro em um “negócio” que representa parte significativa de sua fonte de renda e sequer procura acompanhá-lo e/ou desenvolvê-lo?
Se você pouco frequenta sua Unimed, sugiro que participe, compareça nas assembleias, aos eventos realizados e leia suas publicações. Além de profissional qualificado que é, assuma seu papel de sócio. Afinal, mesmo que tudo isso faça pouco sentido para você, se alguém lhe perguntar como está a sua cooperativa, como está sendo gerido o seu capital investido e parte considerável de seu trabalho e renda, pelo menos você saberá responder. Saudações cooperativistas. 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

//Código do Google Analytics