O uso das mídias sociais na graduação em medicina

O uso das mídias sociais na graduação em medicina

Bianca Naomi Sada Watanabe1; Carolina Kirchner1; Djalicy Henning1; Mylene Schmidt1; Luiz Henrique Picolo Furlan2

1 – Alunas da graduação em Medicina Universidade Positivo

2 – Professor da Disciplina de Investigações e Intervenções em Saúde Coletiva, Universidade Positivo. Médico do Núcleo de Inteligência em Saúde da Unimed do Paraná.

            Recentemente, o universo das redes sociais tem se mostrado explosivo. Cada vez mais disseminadas entre todas as faixas etárias, nos engajam num uso dinâmico da internet. Segundo o IBGE de 2017, praticamente dois terços da população brasileira têm acesso à internet13 sendo que dados internacionais de 2019 demonstram que os usuários no Brasil passam em média 9 horas e 14 minutos online por dia12. O Facebook ainda é a plataforma de rede social mais utilizada, com mais de 1 bilhão de usuário acessando-a com alta regularidade no mundo. No entanto o Instagram encontra-se em ascensão, com um total de cerca de 800 milhões de usuários cadastrados12.

            Outro dado curioso é o de que quanto maior o nível de formação do indivíduo, mais ele tende a usar as redes sociais. Pessoas com ensino superior completo usam cerca de 20% mais a internet do que aqueles com diploma de ensino médio. Pouco mais da metade dos acessos ocorrem por meio de celular. De modo geral, cerca de dois terços dos usuários da internet preferem ler notícias online a por meio de televisão ou áudio12.

            Ferramentas criadas aparentemente com objetivos fúteis podem se “converter” e expressar alguma utilidade pública e até mesmo acadêmica, com conteúdo selecionado e fidedigno às mais renomadas fontes ortodoxas? Parece que a resposta é sim. Hoje são disseminados conhecimentos desde culinária, montanhismo, cuidados com pets e emagrecimento a conhecimentos científicos e acadêmicos que pegaram carona nessa web, incluindo é claro, a Medicina.

O avanço científico, a globalização, a popularidade da internet e das redes sociais provocaram uma grande transformação no processo de ensino aprendizagem dos acadêmicos de medicina. Vivemos, ensinamos e praticamos medicina na era digital¹.  “Aprendemos que somos parte de algo novo e que nossos leitores / ouvintes / expectadores estão se tornando parte do processo”². Tal mudança de paradigma culminou em uma desierarquização da escrita². E o operador do teclado, seja ele graduado ou em formação, assume papel importante na construção do saber e do conhecimento, tendo poder de escolha sobre o que escrever, quanto se aprofundar e com que frequência postar.

A internet surge então, como mais uma ferramenta de estudo, dando suporte ao preconizado pelas Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Medicina (DCN), que recomendam que os profissionais de saúde aprendam a aprender, participem ativamente na construção do conhecimento, bem como tenham domínio das tecnologias para busca de evidências científicas que o auxiliem em sua tomada de decisões³. A Inserção de Tecnologias da Informação e Comunicação como auxiliares ao processo de ensino-aprendizagem apresenta-se como estratégia facilitadora de educação permanente, tomada de decisões, atualização, aproximando o acadêmico a assuntos médicos de forma interativa, rápida e diversificada9.

Existem algumas ferramentas on-line de busca de informação médica cujos dados são baseados em evidências científicas como o UpToDate10, atualizado por médicos especialistas renomados mundialmente. No entanto, essas ferramentas que se propõem a um conteúdo mais confiável, apresentam alguns limites de uso como o custo da assinatura e o fato de estar disponível apenas em inglês, restringindo-se a uma parcela do universo acadêmico.

Aparecem como protagonistas outras fontes de busca e compartilhamento de informação: as Mídias Sociais. Apesar de não oficiais, são aplicativos interativos de grande fluxo de conteúdo e informação entre seus usuários, que permitem a criação de listas de contatos e possibilitam a procura por usuários com interesses em comum. Alguns exemplos populares são o Facebook e o Instagram11.

Estudo realizado com alunos de medicina da UFPR demonstrou, em 2015, o impacto das mídias sociais na graduação médica. Concluiu que 21,9% dos entrevistados usavam o facebook de modo espontâneo e informal para fins educacionais 3 vezes na semana, enquanto 60% usavam a ferramenta diariamente (p<0,0001) para tais fins. Outro estudo abrangendo 5 instituições de ensino de medicina de Curitiba demonstrou em 2016, que 92% dos entrevistados utilizavam Facebook diariamente, sendo que na formação médica as principais contribuições da plataforma identificadas foram a divulgação de notícias de pesquisas e curiosidades, eventos e ligas acadêmicas, cursos, estágios e a formação de grupos acadêmicos e multiprofissionais de discussão7.

As vantagens percebidas pelos alunos de medicina da UFPR no uso do facebook, foram o compartilhamento de informações, a interação entre pessoas, a facilidade e rapidez e a formação de grupos. Por outro lado, as desvantagens foram a falta de privacidade, a distração e a perda de foco, as questões éticas, dificuldades de inclusão digital, o vício e a dependência da internet e o conteúdo duvidoso 4. Ficou evidenciado à época que as redes sociais mais utilizadas eram Facebook e Whatsapp4-7. O uso do Facebook foi visto como positivo pela grande maioria dos acadêmicos7.

Uma revisão sistemática avaliou o uso da mídia social na educação médica em 2013. Apesar da maioria dos estudos incluídos não apresentarem grupo de comparação, observou-se que o uso de mídias sociais foi considerado positivo5. Dentre as vantagens encontram-se: maior interação, engajamento e acesso a recursos, melhora no conhecimento, atitudes e habilidades, facilitação da comunicação e ausência de limitação geográfica5-6. A revisão apontava a necessidade de se realizar mais estudos acerca da utilização de mídias sociais na educação médica e cita a importância de maximizar as oportunidades e os benefícios oferecidos por ela.

O Instagram nos últimos anos assiste à ascensão de um fenômeno em sua plataforma denominado de Studygram, palavra em inglês que une study (estudo) e Instagram. O Studygram pertence a um usuário, que cria um perfil cujo objetivo é divulgar fotos e stories do processo de estudo dos seus usuários, os Studygrammers, que agregam valor aos que os acompanham, demonstrando ser uma inovação na forma de aprender e de compartilhar conteúdos, além de manter o Studygrammer e seus seguidores motivados8. Igualmente a outras mídias sociais, os Studygrams possibilitam uma nova forma de produção e de recepção da informação, com narrativas do saber mais criativas, com visual mais atrativo, mais lúdico e com a inovação de colocar o usuário como protagonista.

Postagens dos Studygrams combinam mapas mentais, esquemas e dicas de estudo, caligrafias desenhadas conhecidas como lettering, artigos de papelaria e posts motivacionais. Uma busca pela hashtag #studygram mostra mais de 4,1 milhões e publicações. Segundo a professora da faculdade de Educação da Unicamp Dirce Zan, em entrevista ao jornal Estadão em outubro de 2018, o uso do celular é frequente e deve ser incorporado à rotina do estudante “Há estudos que indicam que a internet ajuda até mesmo os mais distraídos e pode ser um facilitador”14.

Por ser fenômeno recente, ainda não foram vistos artigos que avaliem o fenômeno do Studygram no processo de ensino-aprendizagem de acadêmicos de medicina. Porém, parece ter cabimento procurar acompanhar e entender esse novo processo de ensino-aprendizagem disparado pelas mídias sociais, especialmente o Instagram, uma vez que já é realidade na rotina de muitos estudantes. Se considerarmos que está surgindo um novo homem, teremos que pensar em uma mudança do sujeito coletivo para o sujeito conectivo3, autor da sua própria realidade de estudo através da internet, em especial as redes sociais.

 

 

 

Bibliografia

 

  1. Kind T, Patel PD, Lie D, Chretien KC. Twelve tips for using social media as a medical educator. MedTeach. 2014;36(4):284-90. [Acesso em 27 março 2019]. Disponível em: http://www.ncbi.nim.nih.gov/pubmed/24261897.
  2. Ferrari, Pollyana. A força da mídia social:interface e linguagem jornalística no ambiente digital. 2ªed, São Paulo. Estação das Letras e Cores, 2014.
  3. Diretrizes Curriculares Nacionais (DCNs). Resolução CNE/CES nº3, de 20 de junho de 2014. Ministério da Educação. 2014 [Acesso em 27 março 2019]. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/Med.pdf
  4. Purim KSM, Tizzot ELA. (2019). Protagonismo dos Estudantes de Medicina no Uso do Facebook na Graduação. Revista Brasileira de Educação Médica, 43(1), 187-196. https://dx.doi.org/10.1590/1981-52712015v43n1rb20180139
  5. Cheston, Christine C; Flickinger, Tabor E; Chisolm, Margaret S. Social Media Use in Medical Education: A Systematic Review. Academic Medicine, Vol. 88, No. 6, p 893–901 / Junho, 2013. [Acesso em 28 março 2019]. Disponível em: https://journals.lww.com/academicmedicine/fulltext/2013/06000/Social_Media_Use_in_Medical_Education__A.36.aspx
  6. Hillman, Toby; Sherbino, Jonathan. Social media in medical education: a new pedagogical paradigm? Postgrad Med J, Vol 91, No 1080, p 544 – 545 / Outubro, 2015. [Acesso em 30/03/2019]. Disponível em: https://pmj.bmj.com/content/91/1080/544.
  7. Possolli, GE; Nascimento GL. As Contribuições do facebook para a formação médica: estudo de caso dos cursos de medicina de Curitiba. Revista Educação e Cultura Contemporânea, v.13, n.31. [Acesso em 03 de abril e de 2019]. Disponível em: http://periodicos.estacio.br/index.php/reeduc/article/viewArticle/1942
  8. Fernandes, RMM. Studygram: Interação e compartilhamento de processos de ensino-aprendizagem através do Instagram. Anais do Simpósio Brasileiro de Informática na Educação (SBIE). 2018. [Acesso em 05 de abril de 2019]. Disponível em: HTTP://www.br-ie.org/pub/index.php/sbie/article/view/8200/5879
  9. Câmera, FMP; Oliveira, DFM; Silva, RA; Paula, VT; Abreu, EPF; Neto, CM; Bento, BM; Ferreira, FAXM; Mafaldo, RS; Freire, FLO; Silva, JR; Lucena, MCCL; Duarte, GLC; Ferreira, FA; Junior, JD; Diniz, RVZ. Perfil do Manuseio de Inovações tecnológicas pelo estudante de medicina e sua interface para o aprendizado em saúde. Revista Brasileira de Inovação Tecnológica em Saúde, On-line, Desde 2010. [Acesso em 05 de abril de 2019] Disponível em:  http://periodicos.ufrn.br/reb/article/view/4549/4048
  10. Addison, J; Whitcombe, J; Glover, SW. How doctors make use of online, point-of-care clinical decision support systems: a case study of UpToDate. Health Information & Libraries Journal/ Volume 30, Issue 1. [Acesso em 10 de abril de 2019]. Disponível em: https://onlinelibrary.wiley.com/doi/full/10.1111/hir.12002
  11. Roberts, M; Callahan, L; O’Leary, C. Social Media: A Path to Health Literacy. Studies in Health Technology and Informatics, Volume 240; Health Literacy, pages 464-475. [Acesso em 10 de abril de 2019]. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/28972534
  12. Williams, G. 23 estatísticas incríveis sobre a internet e as redes sociais em 2019. [Acesso em 15 de maio de 2019]. Disponível em: https://pt.wizcase.com/blog/23-estatisticas-incriveis-sobre-a-internet-e-as-redes-sociais/
  13. Da Silva, RR. Pesquisa do IBGE revela que aumentou o número de usuários de internet no Brasil. [Acesso em 12 de maio de 2019]. Disponível em: https://canaltech.com.br/internet/pesquisa-do-ibge-revela-que-aumentou-o-numero-de-usuarios-de-internet-no-brasil-129545/
  14. Giantomaso, I; Cliton, H. Studygram: a imagem que resume os estudos nas redes sociais. Jornal Estadão. [Acesso em 12 de maio de 2019]. Disponível em: https://educacao.estadao.com.br/noticias/geral,studygram-a-imagem-que-resume-os-estudos-nas-redes-sociais,70002570771

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *